Bolsa de Valores: Seus ciclos e oscilações.

Tempo de leitura: 8 minutos

Bolsa de Valores e Mercado de Ações

Primeiramente, antes de falarmos sobre a bolsa de valores e seus ciclos é importante comentarmos sobre o sentimento que as pessoas têm sobre o mercado de ações.

Medo, desconfiança, loteria é o que mais ouvimos e infelizmente isso afasta as pessoas de um dos principais investimentos.

Em contraste, são suficientes poucos minutos para que as pessoas entendam que comprar ações é se tornar sócio de grandes empresas.

Quem já não teve vontade de abrir uma pizzaria, restaurante, um bar, uma loja de roupas ou outro negócio próprio?

Certamente, abrir o seu negócio próprio ou comprar ações de grandes empresas é basicamente a mesma coisa.

A grande diferença é que comprando ações, existem muitas pessoas nessas empresas trabalhando para você, cuidando dos resultados e com grande expertise no assunto.

Outra coisa que sempre se pergunta é: quando devemos comprar ações da Bolsa de Valores?

Certamente, a nossa resposta é: SEMPRE.

Ainda mais porque é muito difícil saber quando as ações vão subir ou cair considerando o dia-dia.

Então, se você buscar conhecimento, assim como é necessário em qualquer coisa que você faça na vida, terá capacidade de comprar ações de boas empresas e nesse caso, deve apenas aplicar alguma estratégia.

A mais simples e muito eficiente é a da regularidade.

Da mesma forma que, regularidade é comprar, por exemplo, todo mês independente se a ação subiu ou caiu. Considerando que seja de uma boa empresa, a princípio, enquanto você está formando patrimônio, torça para ela cair, pois investirá menos dinheiro para comprar a parcela desejada da empresa.

Então, imagine que você vá comprar ações de um grande banco brasileiro e sua ação é cotada num determinado mês a R$23,00.

Enquanto que, no outro mês, por alguma razão a cotação desse banco na bolsa de valores caia para R$20,00 e essa queda não está relacionada a qualquer problema com o banco.

Você compra ou não?

Claro que deve comprar, pois estará comprando a mesma coisa por um preço menor.

Não faz sentido isso para você?

RAZÕES PARA A BOLSA DE VALORES SUBIR

Não há mágica!

Para que as ações subam as empresas precisam estar bem, vendendo, aumentando suas receitas e seus lucros.

Tudo isso acontece, claro que pela boa gestão da empresa, mas também por fatores macro e microeconômicos.

O país com a economia melhor, pelo aumento na geração de emprego, desendividamento da população, inflação controlada, juros baixos e maiores investimentos das próprias empresas, entre outros fatores.

No caso atual do Brasil e é importante comentarmos que este texto está sendo escrito em janeiro de 2019, temos o inicio de um novo governo.

Independente das ideologias, estamos emergindo de longos anos de penúria e a expectativa é de serem feitos vários ajustes, como a reforma da previdência, reforma tributária, fiscal e outras.

Naturalmente que há uma longa estrada a ser percorrida, afinal são medidas que necessitam de consenso e da aprovação do Congresso Nacional.

No entanto, a cada dia todos percebem a necessidade das mudanças, para que possamos voltar a crescer como país e consequentemente nossa população.

Então, o que está sendo restabelecido e acreditamos desde 2016 é a confiança. Fator decisivo, para a retomada

Definitivamente a bolsa de valores serve como um termômetro, anunciando sempre antes do fato as expectativas.

Como resultado, mesmo dois anos antes das eleições e sem que soubéssemos quem seria o novo mandatário, as ações em média subiram um pouco mais de 100% entre 2016 e 2018.

Bolsa de Valores

SENTIMENTO

Frequentemente as pessoas tem falado que perderam o bonde novamente, afinal como dissemos a pouco, a bolsa nestes últimos três anos subiu um pouco mais do que 100%.

Enquanto isso, falamos a essas pessoas é que tenham calma, porque se os ciclos se repetem, podemos estar dentro de mais um deles.

CICLOS DA BOLSA DE VALORES

Primeiramente, para que possamos entender se estamos ou não num novo ciclo de alta, temos de olhar no retrovisor e ver como foram os comportamentos mais recentes.

Então, mesmo falando em recentes, todo ciclo tem uma duração média entre 6 a 8 anos e por isso vamos voltar para o ano de 2000.

CICLO DE BAIXA

Da maior cotação de outubro de 2000 (18.951 pontos do Ibovespa) à menor de 2002 (8.370 pontos) a bolsa cedeu 56%.

Esse movimento se deu por alguns motivos, tais como:

  • Estouro da bolha das empresas, ponto.com;
  • Desvalorização forte do real;
  • Crise econômica na Argentina;
  • Rescaldo das crises financeiras asiáticas de 1997 e 1998;
  • Crise financeira na Rússia
  • Crise Turca;
  • Candidatura do ex-presidente Lula.

CICLO DE ALTA

Do mesmo modo, as quedas foram se absorvendo e as economias voltando, vagarosamente a estabilidade, e assim, aos poucos os mercados deram início a recuperação.

Normalmente temos um subciclo de alta, no início do ciclo principal. sendo ele com um arranque mais rápido e o segundo andará conforme a consolidação da recuperação econômica se apresentar.

De toda forma, esse subciclo terá duração dependente da magnitude da crise outrora vivida.

Assim, da menor cotação de outubro de 2002 (8.370 pontos) a outubro de 2004 a Ibovespa subiu nesses dois anos 180%.

Logo, o ciclo continuou por mais 4 anos, até 20 de maio de 2008 (73.516 pontos) e somou 214%.

Afinal, considerando o ciclo inteiro, tivemos a alta de 779%.

Grandes Oscilações permaneceram na Bolsa de Valores

CICLO DE BAIXA

Logo depois, e por isso chamo de ciclos, uma nova crise foi deflagrada no mundo.

Só que desta vez, na minha opinião, a mais séria daquelas que presenciei.

A razão para que eu assim entenda é que todas as outras crises foram originadas em países emergentes ou do chamado segundo e terceiro mundo.

Assim, todo socorro sempre veio do FMI-Fundo Monetário Internacional e pelos países do primeiro mundo, em especial dos Estados unidos da América.

Entretanto, desta vez a crise eclodiu justamente nos EUA e se propagou para todo mundo. Países como Alemanha, França, Itália, Reino Unido e tantos outros, sofreram com falta de liquidez, desemprego, endividamento e o pior, mas consequentemente, a perda da confiança.

Certamente, a crise em 2008 foi originada pelo setor imobiliário americano e no ano seguinte, por consequência, gerou uma nova crise, agora do setor bancário.

A bolsa brasileira não ficou imune e mergulhou entre 20 de maio de 2008 (73.516 pontos) e 02 de março de 2009 (36.234 pontos), nada menos do que 51%.

Em apenas dez meses uma queda de 51%.

CICLO DE ALTA

Novamente tivemos o início da retomada dos mercados, mesmo considerando que muita coisa haveria ainda de ser feita para as economias retomarem seu equilíbrio.

Mas,  em março de 2009 o Ibovespa estava em (36.234 pontos) e no último dia de 2018 em 87.887 pontos, o que significa a alta de 142%.

Pronto, tenho de voltar a pensar no que muitos agora dizem:

– Mas, já não subiu demais? Não perdemos o bonde?

Veja, que para subir 142% levamos 10 anos (março de 2009 à 2018) e na outra crise, conforme anteriormente comentamos, em apenas 2 anos (2002 à 2004) a alta foi de 180%.

Os Ciclos de alta começaram a ser constantes na Bolsa de Valores

Por isso, é possível que estejamos num movimento ou ciclo de alta, mas claro que para isso a economia brasileira tem de dar sinais efetivos de crescimento, através dos ajustes necessários.

Muito importante também é que não tenhamos nenhuma outra crise internacional, para ofuscar nossa eventual retomada.

Ao mesmo tempo, um dos únicos países que efetivamente cresceu nestes últimos anos é justamente a primeira economia do mundo (EUA), acompanhada da segunda (China), que apesar da desaceleração, ainda cresce em média a 6,5%aa.

Todos os outros, inclusive a Europa, estão a caminho da retomada e também contam com os melhores ventos.

Em conclusão, investir em ações da Bolsa pode ser um bom caminho

CONCLUSÃO

Acima de tudo, leia e releia esta matéria e tire suas conclusões.

Enfim, o importante é que você perceba a importância do mercado acionário e o que ele pode fazer na sua vida financeira e entenda que de fato os ciclos existem.

Os ciclos se repetem, variando na magnitude e seus períodos.

Então, não devemos pensar que o bonde passou, o importante é que saibamos identificar o bonde e que precisamos subir.

Se foi o melhor momento ou não, a regularidade fará sua parte.

Finalmente, deixarei algumas frases do grande investidor americano Warren Buffett:

  • Por algum motivo, as pessoas se baseiam nos preços e não nos valores. “Preço” é o que você paga e “valor” é o que você leva.
  • O risco vem de não saber o que você está fazendo.
  • Parece haver alguma característica humana perversa que gosta de fazer as coisas mais fáceis em difíceis.

Definitivamente, se você nunca pensou em investir no mercado acionário, reflita e busque informações.

Se já o faz, aprimore-se.

A própria humanidade vive em ciclos, com a bolsa de valores não poderia ser diferente.

Além desse artigo, temos alguns outros para quem deseja investir, acesse:

Tesouro direto

Corretora de Valores

Onde Investir

Posteriormente, nos acompanhe também em nosso Facebook e Instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *